PARTICIPANTES

 

1- Clara da Costa
2- Cássia Vicente
3- José Ernesto Ferraresso
4- Demétrio Praxedes
5- João Coelho dos Santos
6- JAS
7- Mercília Rodrigues
8- Sonia Nogueira
9- Ilze Soares
10- José Hilton Rosa
11- Isabel C S Vargas
12- Maria de Fátima Delfina de Moraes
13- There Válio
14- Virgilio M.A.S Roque
15- Glória Tabet Marson
16- Gina Maia
17- Yna Beta
18- Eline Santos
19- Maria Olga de Oliveira Lima
20- Cida Micossi
21- Gutemberg Maciel
22- Zenaide Giovinazzo
23- Ari da Mata
24- Nilza Stringhetta Rossi
25- Carolina Ramos
26- Rita Rocha
27- Marinez Stringhetta/Mara Poeta
28- ZzCouto

 

 

 

ACHADOS
Clara da Costa

achei teu sorriso
naquele retrato amarelado
arranhado,
Vasculhando gavetas,
junto a retalhos espalhados
na cinza memória do tempo.

 

 

ACHADOS
Cássia Vicente

Procurando por mim
achei nós dois
entre os guardados
do meu coração.
Quando foi que permiti deixar nos esquecer?

 

 

Achados
José Ernesto Ferraresso

Se por acaso, algum dia
este livro for desfolhado,
quero que na folha já velha,
quase desfeita, encontrei meu nome
ali rabiscado.
Nunca se esqueça que um dia,
há muito tempo,
amávamos loucamente e,
você continuava do meu lado.

Ainda relembro do passado!

 

 

ACHADOS
Demétrio Praxedes

Sentado à mesa da cozinha
Tendo as mãos próximas da peneira
E os olhos fitos nos grãos
Na certeza de se fazer um bom serviço
Passava pacientemente o tempo
Na tentativa de separar qualquer tipo de joio
Que por qualquer motivo houvesse inserido
naquele grupos de grãos de forma impertinente
E pudesse trazer dúvidas a evidência de um serviço bem feito
Mexia naquelas sementes à procura de vestígios
Seja lá de qual fosse o elemento que viesse a desfavorecer
O ótimo na qualidade do conjunto que tinha por
Excelência produzir.
Sob análise, examinava cada punhado de grão
E em seguida, meticulosamente jorrava o conteúdo para cima
Fazendo pairar ainda pudera ser encontrado
Depois de exaustivas e incertas manipulações
Dava-se conta de que nada lhe havia sido omitido
E dando-se por satisfeito na peneira qualquer tipo de detrito
Que por inconveniência
Lançava os grãos ao cozimento.

 

 

ACHADOS
João Coelho dos Santos

Regressou às imprudências
Fontes de segredos,
Onde incógnitos olhos vagueiam,
Sem sentido.
Na descoberta de implacáveis ideias eróticas,
Qual pirata ressentido e inocente,
Ora hostil ora indiferente ao piar da coruja.
Sem ansiedade, nem euforia
Reencontrou perdidos sonhos
Desleais, impetuosos e imprudentes achados

 

 

Achados
JAS

Procurando alguma coisa
No meu guarda roupa
Encontrei algumas coisas suas:
Calcinhas, sutiãs, blusas
Do tempo em que éramos um casal
E vivíamos em um idílio amoroso
Hoje, nem me lembro mais de você
E joguei os achados fora!

 

 

Achados
Mercília Rodrigues

Procurei nas profundezas,
Dos mares e oceanos
Onde morava as tristezas
Juntadas aos desenganos!

 

 

Achados
Sonia Nogueira

No álbum, não visto há tempos
Folheei as páginas ainda perfeitas
Senti teu olhar maroto para mim
A mão forte apertando perfeito
A saudade sorriu, enfim
O tempo correu imperfeito...

 

 

Achados
Ilze Soares

Em qual esquina da Vida
eu o encontrei e me perdi?
Nos guardados do coração,
eu nunca o esqueci.

 

 

Achados e Perdidos
José Hilton Rosa

Tempo e silêncio
tempo que cicatriza
tempo que cura ferida
tempo de guerra
tempo que não chora
tempo para ver e descrer
tempo para ler e sorrir
tempo vazio
vazio no seu tempo
achado o tempo
tempo perdido
algum tempo achamos
noutro tempo perdemos
somos achados e perdidos
nesse tempo.

 

 

Achados
Isabel C S Vargas

Recordações do passado são tesouros
Guardados em relicários da alma.
Não são perdidos, sequer escondidos
Estão bem protegidos de curiosos
E mal entendidos que os vulgarizam.
Quando os acessamos destes recônditos
São achados que não entristecem,
Nos abastecem de energias fortificantes.

 

 

ACHADOS
Maria de Fatima Delfina de Moraes

Revirando gavetas de cabeceira,
encontrei pétalas esmaecidas
e a saudade pegou-me de surpresa
na beleza do tempo em que éramos nós.

 

 

ACHADOS
There Válio

Anos se passaram...
Vasculhando um pequeno baú
Cartas amareladas pelo tempo
Chamam minha atenção!
Esquecidas e semi apagadas
Mal consigo ler suas linhas
Mas as lembranças voltam
E a saudade ganha vida
E a dor da perda é dorida.
Lágrimas teimam em cair
Mas não quero mais relembrar,
Esses achados volto a guardar...
Não quero mais recordar,
Esse passado volto a fechar.

 

 

Achados
Virgílio M.A.S Roque

William Shakespeare sobre os achados
Também do seu precioso tempo usou
Disse, se dois grãos de trigo forem espalhados
Em dois alqueires de palha que alguém utilizou
Achando-os, não compensa o tempo que gastou.

 

 

Achados
Glória Tabet Marson

Num retrato já rasgado,
que nem sequer fui buscá-lo,
eu descubro quando achado,
saudade que ainda embalo!...

 

 

A C H A D O S
Gina Maia

Fui à prateleira do passado
e do tempo, abri o meu baú.
Notei que perdi no requebranto,
algo que vou adquirindo no sofrimento.
Nunca vesti a pele de Belzebu
mas também não uso capa de Santo!
Por vezes a paciência já falta na hora,
mas minh’alma à dor tem tido aceitação!
E o que eu vi dormitando no Baú ;
- A Tolerância - para se utilizar ainda que a alma chore.
O Silêncio –preciso do silêncio da minha imaginação,
para comungar na Poesia, minha escrita !
Deus - Para que ele toque de mansinho os duros corações,
preciso de comunicar em oração!
Amor – O mundo precisa que se ame sem condição
e sem queixume, se houver desdita!

 

 

ACHADOS
Yna Beta

No jardim dos sonhos adormecidos
Alguns pergaminhos encontrei
Entre vários ramos amarelecidos
Aquele que um dia foi verde, achei.
Um trevo de quatro folhas ressecado.
De um antigo amor me foi lembrado
E que naquele jardim fora plantado!

 

 

ACHADOS
Eline Santos

Dentro de uma agenda, bem escondido,
Entre páginas manuscritas, encontrei os versos
Amarrotados, que um dia te dediquei,
E naquele instante não deste nenhuma importância
Deixando-me frustrada com os versos que te dei

 

 

ACHADOS
Maria Olga de Oliveira Lima

Em meio aos meus achados e perdidos
encontrei o teu sorriso,
que lutei e relutei para esquecer.

Entretanto,
ao longo do caminho,
solitário, sozinho,
meio alucinado, perdido,
somente encontrei
a verdadeira felicidade
quando te reencontrei.
Entendi... que sempre foste
meu companheiro, meu amigo
e especialmente
Meu Único e Verdadeiro Amor,
para viver comigo
todos os dias
em meu castelo de sonhos.

 

 

Achados
Cida Micossi

Faxinando guardados
Achei meia carta
Daquele meio amor

 

 

ACHADOS
Gutemberg Maciel

No perambular do viver
Sempre buscando equilíbrio
Os achados foram tantos:
Proveitosos, descartados, todos importantes
Para o equilíbrio do ponderar...

 

 

Achados
Zenaide Giovinazzo

Achei pelos caminhos
flores e espinhos.
Pensamentos alados
desencontrados...
Achei pelos caminhos
beijos e abraços.
Amores perdidos
desiludidos...
Achei pelos caminhos
sonhos e ilusão.
Porém em uma esquina da Vida
encontrei minha paixão

 

 

Achados ...
Ari da Mata

Vasculhando gavetas,
Alegrias...tristezas sorrisos e lágrimas passam como nuvens...
Encontros, desencontros. ..
Tantos anos de amor resumidos a
Papéis. ..fotos. ..tiaras ...brincos...lenços com teu perfume
Pra que gaveta se a cópia de tudo está em meu coração??

 

 

ACHADOS
Nilza Stringhetta Rossi

No sótão dos meus guardados
Encontrei o seu retrato
O perfume do seu corpo
Seu sorriso matreiro
São achados importantes
Significados bastantes
Para me encontrar comigo

 

 

Achados
Carolina Ramos

De repente, o estalo ecoa...
é a surpresa de um achado!
... E aquela trova, tão boa,
ganha brilho consagrado!

 

 

Achei
Rita Rocha

Achei no baú da memória,
bem guardada num cantinho;
pedaço de minha história,
que revejo com carinho...

Que seja, certa visão ilusória,
passando bem ligeirinho;
ou até, um ato inglória,
que faz parte do caminho.

Bem sei que essa trajetória,
nunca saiu do meu ninho;
segue hoje sem vanglória,
pra encontrar um adivinho!

 

 

ACHADOS
Marinez Stringhetta/Mara Poeta

Encontrei teu olhar
Nos meus guardados
Revivi o paraíso
Em meio aos achados.

Nesse tempo distante
Estás vivo em meu coração
Quem sabe um pouco à frente
Reviveremos grande paixão.

 

 

ACHADOS

ZzCouto

Olhando galhos e sombras,
Sinto minhas raízes enterradas.
Acho galhos abraçados,
emaranhados,
crescendo dizendo amores
uns aos outros,
subindo quase voo ao sol
e ao contínuo infinito.
De braços estendidos para o chão
quebro ali o medo antigo
do toque de outra mão.
Os sonhos podem ATÉ morrer secos,
despedaçados.
Quanto aos galhos,
morrerão unidos,
abraçados.

 

 

Edição Mara Pontes

 

 

:::VOLTAR:::