PARTICIPANTES

1- Clara da Costa
2- Carlos Rubim
3- José Ernesto Ferraresso
4- João Coelho dos Santos
5- Cel Carvalho (Cecília Carvalho)
6- José Hilton Rosa
7- ZzCouto
8- Cássia Vicente
9- Isabel C S Vargas
10- JAS
11- Ilze Soares
12- Yna Beta
13- Nilza Stringhetta Rossi
14- There Válio

15- Maria Tomasia
16- Zenaide Giovinazzo
17- Sueli do Espírito Santo
18- Iracema Raizer
19- Eugénio de Sá
20- Ógui Lourenço Mauri
21- Mifori
22- Sônia Nogueira
23- Rita Rocha
24- Marinez Stringheta/Mara Poeta
25- Gina Maia
26- Eda Carneiro- “Poeta Amor”
27- Ruthy Neves
28- Maria Olga de Oliveira Lima

 

 

 

ÀS VEZES

Clara da Costa

Às vezes, no avesso das palavras,
confesso o amor que tento esconder,
em cada rima da poesia...

No silêncio, os sonhos acordam chorando,
relembro dos momentos
que ficaram naufragados no tempo.

Às vezes, vem uma saudade,
e aquela vontade
de fugir, dessa distraída solidão.

 

 

Às Vezes

Carlos Rubim

A solidão é que desperta
A saudade de amores
Relatos poéticos...
Sólidos rimas
Revelando em cada um
Castelo longevo.

 

 

Às Vezes

José Ernesto Ferraresso

Vejo-te insatisfeita.
Fazes meu coração sofrer e minha voz calar.
Um arrepio sinto em meu corpo,
porque estás distante no pensamento.
Não percebes que te espero para enlear em teu corpo
com a tentação de te completar porque
meu coração sente tua ausência,
e só então viveremos felizes para amar...

 

 

ÀS VEZES

João Coelho dos Santos

Não sabe se deve acreditar,
Se deve ser duro e destemido
Ou se tudo será fortuito.
Com fingida indignação
Fica à beira das lágrimas
O que entende ser nada prestigiante.
Às vezes
Sente-se engolido pela escuridão

Intruso, bonitão e mulherengo
Às vezes
Domina os fictícios efeitos cénicos
De fértil imaginação.

 

 

Às vezes

Cel (Cecília Carvalho)

Às vezes me sinto fresca,
sou folha do mato, ainda virgem, sem ninguém tocar,
às vezes sou mato verde,
sou esperança, fico a sonhar ...
Às vezes me sinto boba,
sou inocente, não sei pecar
às vezes eu nada sou, fico a esperar ...
Escrevo e meus pensamentos,
se vão com o vento e voltam no tempo
me deixam a pensar,
não posso parar o tempo
não sou seiva nem mato, sou gente,
meu tempo está a passar ...
Não sei o que mais me dói,
meus pensamentos ou do coração seus lamentos
mas sei do abraço frio, do vazio
acho que dói muito mais ...
E assim me vejo,
parada, sentada, pensando, abraçada
com o nada ...

 

 

Às vezes

José Hilton Rosa

Às vezes durmo no tempo
um sono leve e arredio
às vezes tenho pressa para aproximar
o vento me leva aonde quero ir

 

 

Às Vezes!

ZzCouto

Às vezes parece que alguma
coisa está faltando.
E mesmo acordada pareço
estar sempre sonhando.

Deito, rolo na cama, cansada
não consigo dormir...
E o sono infeliz que não chega
me faz então sucumbir.

Às vezes tenho a impressão
de algo que não sei explicar.
Parece que a qualquer momento
o meu amor vai chegar...

O corpo então espera confiante
e é estranho, essa sensação.
Não só eu que sinto isso
mas também o meu coração...

 

 

ÁS VEZES

Cássia Vicente

Mora dentro de mim
um desejo sem fim...
A fim de encontrar
onde se encontra o fim
às vezes tropeço em mim...

Às vezes recebo de mim
sinais para onde devo ir,
ou, de quem devo fugir...
Ó dor sem fim,
indecisão em mim
se faz morada afim.

 

 

À VEZES

Isabel C S Vargas

Relembro coisas do passado
Que me fazem sorrir de alegria,
Compensando as mazelas vividas
Após tua partida inesperada.

Às Vezes
Sinto imensa tristeza por tua ausência
e me desespero com isso. Choro.
Não aceitar o inevitável é tolice.
Permanecer no passado imobiliza.

Às vezes
Tenho momentos de aceitação
e meu coração se apazigua.
É a força da fé e o poder de superação
Que me fazem ser resiliente e viver.

 

 

ÀS VEZES

JAS

Às vezes sim
Às vezes não
Nunca sei quando irei dizer sim
Mas também não sei
Quando irei dizer não
Nessa vida de emoções
às vezes sim para um amor

Às vezes não para uma paixão
Mas todas às vezes
Que tentei ser feliz
Escorreguei num dilema:
A quem dar amor?

 

 

Às Vezes...

Ilze Soares

...É tanta felicidade,
que esqueço a realidade
e mergulho no sonho!
Sonho acordada...
E sinto felicidade!
Noutras, é só saudade...

 

 

ÀS VEZES

Yna Beta

Às vezes, te acordo na madrugada,
Com desejo de, por ti, ser amada.
Não deixar nosso amor adormecer.

Na doçura dessa louca paixão,
Confessamos um amor, sem ilusão
Que a cumplicidade nos fez conceber.

Às vezes, quando em teus braços o sol despontar
E a tênue luz da manhã nos despertar
Em pleno gozo, vou querer mais te amar!

 

 

ÀS VEZES

Nilza Stringhetta Rossi

Quando o sol se põe, a saudade acontece.
Uma prece silenciosa toma conta de tudo
Mudo o rumo dos pensamentos
Ave Maria é a canção que arremata o dia!

A música no espaço modifica o tema do ambiente.
A lembrança transforma-se em doce melodia.
Às vezes, uma brisa perfumada beija-me o rosto
Os cabelos parecem querer esvoaçar
A melancolia desmancha-se no ar!

 

 

ÀS VEZES

There Válio

Às vezes sinto saudade
A solidão dói no peito
Mas não quero de novo
Sofrer com você ao meu lado
Prefiro viver sozinha
Do que ser abandonada.

 

 

Às Vezes

Maria Tomasia

Às vezes atropelo a vida,
cutucando velha ferida.
Meu corpo frágil maltrato
por alguém que fora ingrato.
Até da poesia que tanto amei
nunca mais me interessei.

 

 

ÀS VEZES

Zenaide Giovinazzo

Já não sinto
o gosto da esperança.
Às vezes, a loucura
das estrelas, sinto.
Lá, brilha meu amor distante
perdido no labirinto...

 

 

Às Vezes

Sueli do Espírito Santo

Às vezes meu coração é teimoso
Mesmo desolado e triste
Insiste em continuar ansioso
Parece que nunca desiste
De sentir essa saudade imensa.

Ás vezes, de tão saudoso
Chega a inventar a tua presença.

 

 

 ÀS VEZES

Cema Raizer

Às vezes percebo
Que estou tão longe
Que estou tão só...
Procuro motivos

Para te encontrar
Mas bebo da fonte
A insípida água
Do vazio da tua ausência...

E vivo por viver
Alimentando sonhos
Acumulando bagagem..
Resumindo saudades
Mas querendo que voltes...

 

 


Às vezes, as madrugadas...

Eugénio de Sá

Falas de ausência, quem sabe
se nessa ânsia represa
a tua boca não há de
sorrir d'amor e surpresa

Que às vezes as madrugadas
C'o as brumas vindas do mar
Matam saudades amadas
Fazem um amor voltar

E então recomeçam vidas
Com mais e melhor carinho
Esquecem-se presto as partidas,

Fazem-se os dias d'arminho
Com carícias repartidas
em brandos lençóis de linho

 

 

ÀS VEZES...

Ógui Lourenço Mauri

Às vezes, me vêm à mente
Fatos de volta improvável,
Que me fazem, de repente,
Acreditar no inviável

Aquele teu beijo sápido,
De tão doce paladar,
Teve bis num sonho rápido,
Que torço para voltar.

Preciso ser redivivo
De um beijo com substância;
Que volte em sonho ou ao vivo,
Pouco importa a circunstância.

O beijo real roubado,
Senti, porém, diferente;
Não chegou a ser ousado,
Pois foste condescendente.

Às vezes, tenho vontade
De ser de novo ladrão.
Dar um beijo de verdade
E roubar teu coração.

 

 

ÀS VEZES

Mifori

Distraída solidão
que vem a mim e se assenta,
arrebenta o coração,
qual insônia que atormenta!

Às vezes é a ansiedade
que afugenta a alegria;
tira-me a serenidade,
num misto de nostalgia!

Só quando a saudade aumenta,
sob a luz do sol da tarde
é que você se apresenta
numa euforia covarde!

 

 

Às Vezes

Sônia Nogueira

Às vezes vejo o tempo tranquilo
Outras vezes turbilhão acelera
E sinto esse tempo sem estilo
Corroer nossos anseios, e revela

Quão misteriosa é nossa espera
Em antecipar nossos quereres
Barrado pelo tempo força impera
Sob a natureza em sues poderes

Às vezes estradas se bifurcam
Confundem a direção, o seguir
Passos em descompassos gritam:

Ei, espera, sou caminho sedução
A rota não quebra o silvo porvir
Corre apressado na contramão.

 

 

Às Vezes

Rita Rocha

As ânsias bem reprimidas,
que guardo dentro do peito,
são deveras repreendidas,
quando abraçam o meu leito.

Despertando a fantasia,
vem o pranto sem demora,
sai lamento em poesia,
que se espalha mundo afora!...

Às vezes, vem a saudade,
que pensa em me abandonar;
deixando-me sem piedade,
traz ânsia... quer se vingar!

 

 

ÀS VEZES...

Marinez Stringheta/Mara Poeta

A felicidade transborda
O coração festeja
Interior e exterior
Um só sentimento
Amor. Amar e distribuir calor.

Noutras, acontece o temporal
Não se sabe se vem pro Bem ou pro Mal
A flor murcha
Seu perfume desaparece
E, ela quase fenece.

 

 

ÁS VEZES....!

Gina Maia

Ás vezes desejo ter a palavra atempada, que dê alegria
e afaste o sofrimento de todo o coração.

Muitas vezes, desejo ver o respeito dos filhos pelos pais
e que os avós sejam jóias de ostentação.

Às vezes sofro quando verifico que existe fome,
que nem todos os homens vivem com dignidade !

Muitas vezes verifico que a vida é madrasta,
quando devia ser mãe da humanidade.

Às vezes peço em verso ; -Respeitem o meio ambiente,
não poluam os rios, nem sujem os céus,
a Terra está quente.., são os homens e não Deus !

Muitas vezes peço que separem o trigo do joio
e não façam conluio em políticas fatais.

Às vezes desejo varrer a escória e instituir a glória de nobres ideais.
Mas todas as vezes desejo, irmãos, que acabem com as guerras,
que se dêem as mãos, na luta pela Cidadania- Instituindo a Poesia;
-Façamos ouvir os Corais e o silêncio quando chegarem os Jograis!

 

 

Às Vezes

Eda Carneiro
“Poeta Amor”

Às vezes ponho-me a sonhar
Com teu jeito doce de me amar
Com tua generosidade de me decantar
Como um ópium para ser bebido
Numa alquimia eterna de termos nascido.

Eda Carneiro da Rocha
" Poeta Amor"

 

 

Às vezes

Ruthy Neves

Às vezes que deixei de seguir...
O que meu coração sentia...
Fiquei sem respostas.
Nada entendia, só sofria.
Ouvi o coração, fechei a razão..
Felicidade trouxe alegria.
Aprendi que no erro pode-se ter razão... Às vezes.

 

 

Às vezes...

Maria Olga de Oliveira Lima

Minha felicidade é tanta...
Que me parece estar sonhando...
Tanto quanto
Que ao pensar ficar distante de ti
Me assusta e me apavora.

Desta forma doentia de amar,
Não te deixo sair... ir embora.

Quero estar contigo
Todo dia...toda hora.

 

 

Edição Mara Pontes

 

 

:::VOLTAR:::