AINDA HÁ ROSAS
Clara da Costa
 
Ainda há rosas...
em meus pensamentos,
nos sombrios devaneios,
nas sensações emaranhadas.
 
Olho para o papel em branco,
descubro que estou viva...
mesmo cega e vacilante
o perfume da inspiração me chama.
 
O peito sufoca, o coração explode,
sem voz me calo...calo,
apenas o silêncio e nada mais.
 
Palavras...palavras vêm,
falam... falam através da minha mão,
deixo sangrar a emoção!
 
Praia de Pipa/ RN/Brasil
 
 
 
 
AINDA HÁ ROSAS
António Barroso (Tiago)
 
Lembras-te, meu amor,
                         quando, de mãos dadas, subíamos ao monte
                         e nos deitávamos sobre rosas
                         silvestres?
                         Com carícias ternas, amorosas,
                         pensávamos que aquele vasto horizonte
                         lembrava vasta tela, onde um pintor,
                         ou talvez mais,
                         discipulos de grandes mestres,
                         traçavam naturezas irreais.
                         Lembras-te, amor, até
                         que eu te fazia, com todo o preceito,
                         daquelas rosas, um bouquet
                         que tu, já de pé,
                         apertavas, com carinho, contra o peito?
                         Lembras-te que, ao descer
                         aquelas veredas caprichosas,
                         eu sentia, sem saber,
                         então, porquê,
                         que eras mais uma rosa no bouquet de rosas?
                         Hoje, meu amor,
                         depois do tempo nos arrastar
                         por caminho oposto,
                         por vezes, subo ao monte, para ver teu rosto
                         no meio de tantas rosas, e sonhar,
                         sem fim, neste quadro de aguarela,
                         um sonho amigo
                         de muitas aventuras amorosas
                         e pensar que, um dia, possas estar comigo
                         porque, nos vasos da minha janela,
                         ainda há rosas.
 
 
Parede/Portugal