Sejamos como a águia...
Nas tempestades ela senta-se num galho

e... observa.
Sabe que somente com ela pode contar,
que há saída para aquele que enxerga.
Mesmo estremecendo não tem medo,
enfrenta a tempestade porque sabe

que tem asas...

 

 

 

 

 

 

Trago a plenitude de Lince em meu olhar,

o renascer das cinzas, da

Fênix,

Mas, trago, além de tudo,

o infinito nas asas da Águia

e Como Águia, quero voar.

 

Fev/2012

 

 

 


 

Página melhor visualizada  em Internet Explorer 4.0 ou Superior: 800 X 600
Copyright© Arte & Poesia - 2008 - Todos os Direitos Reservados