ENTÃO A GENTE DESISTE

Eugénio de 

 

 

Se a gente que a gente ama

Sentisse o mesmo que a gente

Podia ser bem diferente;

Ardia na mesma chama

Do fogo que queima a gente.

 

Mas a gente ama somente

A gente que nos não ama

C'o fulgor que a gente sente

Nem sabe que há uma chama

Que arde dentro da gente.

 

Então definha na gente

A vontade de viver

Só quer paz naquilo que sente

Cansa a gente de sofrer

Morre a gente, lentamente!

 

 

 

 

 

DESISTI...!

Clara da Costa

 

A saudade doía

No vazio de noites solitárias

Do teu corpo junto ao meu

De tuas mãos que afagavam

E apagavam ausências.

 

A tristeza invadiu o quarto

Fez morada num coração

Que sem emoção,

Apenas chora por ti.

 

A carta que escrevi

Falava do meu amor

Amor inesquecível

Insubstituível.

 

A carta que escrevi

Resposta não teve.

Desisti...!

 

Morro aos poucos

Sentindo teu cheiro

Impregnado dentro de mim.

 

 

Junho/12



 
 
 
 
 
Créditos:
Jet
Reveries
anna.br
 
Edição e Arte Final: Dea Maia