ENTÃO... NÃO ME PROVOQUE!
Clara da Costa
 
O tempo já passou,
o paixão se foi com as fúrias dos ventos,
com os gritos dos vendavais,
com as noites solitárias,
desabrigadas,
tardias,
distantes.
 
Somos um amor partido,
que se perdeu por caminhos diversos...
 
Contorno o tempo,
a vontade,
morro todo dia do mesmo amor
nesse cenário nostálgico
quando teu rosto se sobressai no vazio da multidão,
e nas brumas cinzentas da solidão.
 
Eu sei...eu sei...sou teimosa, sim,
mas sei também que sou parte de algo sem volta,
irreversível,
de um vazio que lembra perda.
 
Acordo menos você
todo o dia...todo o dia!
 
Então...não me provoque!
 
Meu corpo ainda se inflama ao lembrar
daqueles abraços
loucos,
poucos,
roucos,
vibrantes e febris,
que explodem na minha memória.
 
Com o pensamento errante e disperso,
solto um gemido,
quando me provocas.
 
E definitivamente sei,
que no meu verso mudo,
oculto,
te amarei para sempre...!
 
Pria de Pipa/RN/Brasil
 
 
 
 
ENTÃO NÃO ME PROVOQUE
Alfredo Mendes
 
Eu sei que o tempo há muito tempo passou.
O tempo que ansiei que não passasse.
O tempo que quisemos que parasse...
Foi um tempo de amor que terminou!
 
Chama que nos queimava se apagou.
Foi como nossa vida se finasse.
E tudo à nossa volta desabasse,
E todo o nosso amor, se definhou.
 
 
Por favor o meu nome não evoque.
Se não me quer, então não me provoque,
Com seu arfar ardente de desejo.
 
Não quero mais sentir seus beijos loucos.
Seu sussurrar de amor e gritos roucos...
Pois posso me perder, num longo beijo!
 
Lagos/ Portugal
Para: Clara da Costa, com meu carinho.
 
 
 
 

 

 

 
 
 
*** Favor manter os Créditos e a Formatação ***
Eliana Ferraresi
E mail para Contatos