Fim de Tarde Na Ilha do Baleal
Clara da Costa
 
Timidamente o sol se põe
colorindo o mar com as cores do arrebol
trazendo ao coração do poeta
sentimentos de amor,
nesse melodioso fim de tarde na Ilha do Baleal.
 
Pensamentos voam ao sabor do vento,
juntando-se ao bailar das gaivotas...
tocado pela brisa, o poeta sorri, se enternece nessa magia,
vagueando entre pensamentos sutis.
 
Nessa trilha sonora da natureza,
a brisa segue a melodia,
cantarolando reminiscências,
sussurrando alegrias.
 
Apenas o som do vento fala, sussurra um lamento,
descortina um sentimento, acaricia esse momento, 
deslizando saudades pelos dedos do poeta,
que escorre seus versos pelas areias da Ilha.
 
Ferrel/Ilha do Baleal/Portugal
Julho/15
 
***
 

Ilha do Baleal

Odir Milanez

 

Fim de uma tarde verde, azul e branca.

O céu, sem ver o sol, o chão clareia.

Há pedras empedradas sobre a areia,

 chocolate sobre as casas da barranca.

Quase ao final, sem muros e sem tranca,

das mais bela, uma casa o mar margeia.

Venturo ouvir o vento, que vadeia

pelas ruas, ao alto, e um carro estanca.

Encostada, de lado, à balaustrada,

a poeta e o mar, fronte por fronte,

à procura de Pipa. Estranha a estrada.

Ilha do Baleal! Dela defronte,

a poeta se posta, apaixonada

pelas líricas linhas do horizonte!

 

 

JPessoa/PB

13/08/15

 

 

 

:::VOLTAR:::