Não Importa!
Clara da Costa
 
Chegue mais,
deixe-me faceira
fazendo besteira
nesse amor arteira.
 
 Tira-me os pés do chão,
incita com sua maestria meus mais profundos sentidos
rouba-me a paz com tua boca insana
sussurrando nossos doces segredos.
 
Chegue mais, no teu corpo serei feiticeira,
cativa,
lasciva,
apaixonada.
 
Nesses momentos,
entrego-me totalmente a você
como se fosse a primeira ou a última vez...
isso não importa!
 
 
 
 
 
 

Não Importa

João Coelho dos Santos

 

 

Não importa que sejam de fogo os teus medos,

Que não entendas a melodia, do desfolhar da flor.

Uma a uma o mal-me-quer soltou

Suas pétalas as vento

E, no ar, pairou uma sinfonia sem voz.

 

Não importa se descobriste no olhar

A renovada promessa da primavera,

Se sentiste no peito o calor do verão

Se ouviste o vento e o seu lamento?

Tu sabes que o teu e o meu destino

São encontros no divino.

 

Não importa se no labirinto de meus pensamentos me perdi

E se ficaram cada vez mais longe os horizontes da esperança.

 

Cansado o desencanto sentou-se em pranto

Bem longe, no canto.

Não importa se és somente uma sombra fugidia

Que abriu o ventre de tua Mãe, um dia.

 

Trago desperto na paixão

E na saudade, meu coração;

Por isso te suplico e te peço:

Aceita a ternura da minha afeição.

 

Foi no trinar de uma guitarra apaixonada

Que o sol espreitou e acordou a madrugada.

 

 

 
 
  
 
 

 

:::VOLTAR::::