POEMA VIRGEM
Clara da Costa
 
Uma brisa afrodisíaca vem do mar,
misturando-se a uma melancólica canção,
enquanto os versos se
enroscam,
balançam,
bailam
ao vento,
indiferentes àquela folha em branco que espera para ser
poetisada,
desvendada,
desvirginada...
 
Palavras soluçam nesse poema virgem,
o pensamento se aquieta,
saio junto com a noite que se veste de silêncio,
e voo com as gaivotas
que à luz da lua beijam o mar...
 
 
 
 
 
Poema por uma Virgem 
António Barroso (Tiago)
 
Na noite enluarada, ouço o sussurro do mar
e, para sentir a fresca brisa, desço à rua
esperando encontrar
a todo o momento,
um doce lamento
que passe, no vento,
e consigo, traga uma virgem nua
que acenda a chama
dum fogo que reclama
levá-la p?ra cama.
 
Entre quatro paredes dum quarto escurecido,
há um cigarro aceso, de luz a brilhar,
nos dedos da mão dum corpo enlanguescido
que escuta o sonido
longo, distante, dos sussurros do mar.
 

 
 
Jpg Moça
 
Tutorial Mara Pontes Travessia
 
 

 
 
 
 
 
:::VOLTAR:::