QUERER À FLOR DA PELE
Clara da Costa
 
Nos escombros da casa vazia,
o querer à flor da pele,
sua boca
seu olhar
e corpo famintos,
quebram todos os cansaços,
entre os vendavais da solidão...
 
Desejos passeiam na madrugada
nua
silenciosa
solitária
sem afeto
onde o grito não tem eco...
 
Atravessam o tempo,
velejam entre sentimentos nunca sentidos,
mexem num coração que bate desajeitado.
 
Enquanto essa dominadora saudade acontece,
lágrimas se misturam ao nevoeiro
no dia cinza que amanhece...
 
***
 
QUERER À FLOR DA PELE
Carlos Rubim
 
Sentia algo que em meu
Coração mexia, não sabia
Que tão distante havia
Aquela alma, que na solidão
Sofria com saudades de quem não conhecia.
Mas sei que da química de sua poesia, há uma reação que se mistura.
Agora entendo as reações
Correndo meu corpo
Em saber dela o desejo.
De livrar-se da solidão.
 
 
 
 
  
Arte e Formatação:
AugustaBS

 

 

:::VOLTAR:::