RECORDAÇÃO
Clara da Costa
 
Abro as gavetas do pensamento,
o eco nostálgico do teu nome
baila em minha mente,
a recordação povoa meu momento.
 
Deixastes versos espalhados em minha pele,
o gosto de tua boca na minha,
o toque de nossas mãos entrelaçadas,
o abraço no embalo daquele tango.
 
Restos de ti ainda estão espalhados pela casa,
teus sussurros ainda estão impregnados em meus ouvidos,
segredos ficaram marcados em cada pedaço de nós dois.
 
Lembrança... recordação!
 
Tento camuflar a tristeza,
no meu olhar solitário de saudade,
num resto de lua que lembra você...
 
 
Praia de Pipa/RN/Brasil
Março/15
 
 
 
 
Recordações
António Barroso (Tiago)
 
Recordações não passam dum instante
Em que a alma vê os filmes já passados,
Ilusões, pedaços espalhados.
Pelos cantos dum tempo bem distante.
 
Os versos que deixaste à minha porta,
Teu retrato marcando uma presença,
Varri-os com minha indiferença
E são, hoje, somente letra morta.
 
Inda ouço, algumas vezes, nos ouvidos,
Tantas palavras ternas dizias,
Com as quais me enganavas, me iludias,
Mas que me perturbavam os sentidos.
 
Foi todo o nosso amor lançado à rua,
Desfez-se em pó, levado pelo vento,
E, até já nem se lembra o pensamento,
De quando eu te beijava à luz da lua.
 
 
Parede/Portugal
Março/15