VEM POETAR DE AMOR
Clara da Costa
 
 
Vem, amor, pelas ondas do vento,


Vem amor... O meu pensamento

 

as janelas estão abertas,

 

Fez-se sentinela,

 

meu coração bate forte e estremece,

 

Batuca arrepios

 

quando sinto o toque sutil de sua presença.


Amealhando as lembranças da tua presença.


Vem, amor, não digas nada

 

Calei-me, amor


só quero ouvir o teu corpo

 

Sussurros,  tremores, palpitam

 

quando tua pele toca a minha


E eu me vejo, outra vez, rente a ti.

 

e fazes meu olhar sorrir.

 

Sendo todo sorrisos

Vem...

 

Cheguei


vem poetar de amor,

 

Tu és o poema...
 Que eu declamo inteiro...


dentro de mim...!
 
Dentro de ti.
 
 
Fev/12
 
 
 

 

 

 

 

 

:::VOLTAR:::