FOI MESMO, DE REPENTE
Cássia Vicente
 
 
 
Foi mesmo, de repente, estávamos frente a frente,
aterrorizados de vontade de nos tocar, 
mas nos reguardávamos, o respeito pelo presente gritava.
Uma tênue imagem brilhava em nossos olhos,
um envergonhado desejo tentava se esconder
nas palavras absolutamente sem nexo, lembra?
As horas escorregavam pelas nossas mãos,
era um "quase te toquei" que não conseguíamos mais segurar.
Fatos e fotos eram compartilahas,
passagens concretas eram narradas nas nossas bocas marejadas de desejo.
Coisa de louco, ou louco pela coisa acontecer. Aconteceu.
Beijos loucos, loucos por beijos.
Vontade quase morta, jamais saciada, gritava nas salivas trocadas.
Foi mesmo, de repente que aconteceu o que não se programou.
Vamos combinar;
era previsto acontecer se algum dia nossos olhos se encontrassem.
Aconteceu!
E não foi preciso previsão de mestre.
 
Jataí.GO
14.01.2010

 

 

::::VOLTAR::::