:::MEIA NOITE:::
 
 
 
 
 
 
Meia-Noite
Cássia Vicente
 
 
 
Quase meia-noite,
meus sentidos espreguiçam,
se aguçam,
se prontificam.
 
Rasgo num pedaço de papel digital
os verbos no plural
em rabiscos uniformes.
 
Silêncio absoluto!
 
Busco os sons noturnos
no orvalho fresco.
 
Lua cheia,
 vultos precisos,
sorrisos enigmáticos,
promessas de boa-sorte.
 
O que não posso entender
é este sentimento confuso
dentro do meu peito.
 
Sopram ao meu ouvido:
Confiança,
perseverança,
e muito amor.
 
Abro meus chacras.
 
Latidos precisos.
 
Meia-noite.
 
 
Jataí-GO
30-10-2009