Arma-dura


Cássia Vicente
 
No ataque, afrontava,
na queda de palavras, feria,
ferida?...
 
Na rasteira, interferia,
botava medo nos olhos,
apavorada?...
 
Ensurdecia qualquer som,
reprimia toda identidade,
mal formada?...
 
A fera foi domada
geminianamente?...
 
Tem recaídas, desnuda,
cai por terra sua performance,
tola?...
 
A periferia do medo
seria sua armadura,
dura?...
 
Deveras,
diria, não eternamente!
 
 
Jataí-GO
28-07-2010
 

 

 

::::VOLTAR::::